Seja bem vindo ao Rondonia Live! Sua fonte de informação em tempo real.
quarta-feira , 17 julho 2024
Webmail: contato@rondonialive.com
Destaques

Saiba quem é o professor da UFRN que está entre os melhores do mundo

CAMPUS UFRN

O professor do Departamento de Geologia (DG/UFRN) Francisco Hilário Bezerra está em 32° na lista dos melhores cientistas na categoria de ciências da terra, de acordo com a 2ª edição do ranking Research.com. O resultado é baseado em dados consolidados de várias fontes de dados, incluindo OpenAlex e CrossRef. As informações foram coletadas em dezembro de 2022. Para sua categoria, foram investigados mais de 7636 cientistas.

O docente estuda, principalmente, falhas geológicas, sismicidade e reservatórios petrolíferos. De acordo com a análise da Research.com, o pesquisador publicou nessas três áreas. 

Para ele, não existe ciência sem colaboração no mundo moderno. “Eu tenho tido o privilégio de trabalhar em uma pós-graduação bem administrada e em um grupo de pesquisa produtivo. Minha experiência no Comitê Assessor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) tem mostrado que os pesquisadores envolvidos em colaborações produtivas são os que conseguem ganhar bolsa de produtividade e se manter na posição. Tenho também tido o privilégio de receber financiamento para pesquisa ou colaborar com pesquisadores que têm recebido financiamento”, completa. 

De acordo com a Research, o professor tem cerca de 195 publicações e seus trabalhos mais citados são: Quão ativa é uma margem passiva? Paleoseismicidade no Nordeste do BrasilHistória holocênica do nível do mar na costa do estado do Rio Grande do Norte, Brasil; e Controle de falha pliocênica-quaternária de sedimentação e morfologia da planície costeira no NE do Brasil

O pesquisador afirma que tem sido um alento ver a ciência voltar a ocupar lugar importante no país. “O reconhecimento pelas pesquisas das quais participo tem vindo através de publicação científica, formação de excelentes recursos humanos e financiamento. Essa experiência tem facilitado alguns acertos. Nas geociências, estamos passando pela transição energética que afeta nossa profissão. Outra mudança importante que sentimos é o uso da inteligência artificial. Esses dois fatores têm afetado a direção da pesquisa e o perfil do profissional que estamos formando”, finaliza.

Em suas pesquisas mais recentes, o cientista tem focado em petrologia, fratura, rocha carbonática, afloramento e cavernas. Sua pesquisa é multidisciplinar, focando em bacias sedimentares. Francisco considera que tem sorte de trabalhar com o que gosta. “Não conto publicações e nem posição no ranking. Minha maior ambição neste momento é ver os jovens pesquisadores com quem trabalho bem colocados profissionalmente”.

Artigos Relacionados

DestaquesGeral

Tenda Família Cidadã atenderá o assentamento Joana Darc I na zona rural de Porto Velho

Atendimentos acontecerão no próximo sábado (06), das 9h às 14h, na Escola...

DestaquesGeral

Prefeitura de Porto Velho realiza busca ativa em residências para resgatar cobertura vacinal

Campanha do Ministério da Saúde quer garantir a imunização de crianças menores...

DestaquesGeral

Maior evento de previdência pública do Brasil atribui 1º lugar ao Iperon em governança previdenciária 

O Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Estado de Rondônia (Iperon) recebeu...

DestaquesGeral

Inscrições para cursos remotos profissionalizantes na área de gestão seguem até segunda-feira, 8

Estão abertas até segunda-feira (8), inscrições para cursos profissionalizantes remotos que vão...